Arquivo da tag: chef

tudo se transforma

224265256414308887_FPmTcG81_c

Uma das leis de ouro de uma cozinha é que nada se joga fora. Os recortes de carne viram picadinho, os ossos se transforma caldo, as cascas das frutas dão um ótimo suco, e assim por diante… Um dos meus chefs nos EUA já tinha sido mandado embora de uma cozinha porque não raspou direito o bowl de muffins que estava fazendo e foi lavar ainda tendo massa para uns três. Sim, parece bem excessivo e não colabora nem um pouco para a fama dos chefs que eles não batem muito bem… Mas acontece! Então é bom sempre procurar coisas para aproveitar o que seriam os restos na cozinha.

Lembram quando estava ensinando a fazer os croissants que eu falei pra não jogar os retalhos da massa fora? Agora vem o por que! E possivelmente a receita mais fácil do mundo!

DSC_0327

Tá, não se deixe enganar. Para chegar na receita mais fácil do mundo você tem que fazer uma das mais complicadinhas que é a massa do croissant. Claro que você pode roubar e comprar massa folhada pronta e fazer desse jeito. Mas talvez daí eu perca o respeito por você. Mas só talvez. Moving on… Pegue seus retalhos da massa que eu sei que você fez com as próprias mãos. Corte em pedacinhos. São retalhos então nem se empenhe em tentar deixar eles de tamanhos perfeitos, eles não precisam nem merecem.

DSC_0328

Agora que você tem os pedacinhos, coloque numa tigela quantidades iguais de açúcar refinado e açúcar mascavo e cubra as bolinhas com isso. Quanto açúcar vai precisar vai depender muito da quantidade de bolinhas que você tinha, então aplique a técnica milenar do “olhômetro”. Tendo passado elas nos açúcares, coloque em forminhas de cupcakes e forno médio por uns 20 minutos.

DSC_0330

E isso, minha gente, é a magia de um Monkey Bread de Croissant!

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, doce vida, receita

Primeiros dias

Pra começar, queria agradecer todos os recados, mensagens, e-mail e ligações de boa sorte e parabéns que eu recebi depois do último post! Amigos, familiares, pessoas que eu não falo a muito tempo, amigos de internet, ilustres desconhecidos, o Papa… Tá, quem sabe não o último, mas é muito legal saber que tem gente torcendo por você! Então aí vai meu obrigada!

Minha intenção era ter chego ontem em casa e feito o post. Mas, porém, toda via, entretanto eu deveria dizer que passar 8 horas por dia de pé trabalhando é algo que vai levar um tempo pro meu corpo se acostumar. Ainda mais eu tendo inventado de ir correr quando cheguei em casa. Mas então aí vai meus últimos dias.

Cheguei lá, oito horas da manhã, nervosa e vestida de branco. Falei pro meu pai que esse é o mais perto que eles vai chegar de ter uma filha médica! Mas cheguei e já comecei: fiz mousse de morango, de limão, brigadeiro, torta da nonna, papo de anjo e ainda ajudei a fazer dois molhos para salada! Sim, isso tudo num dia só! E hoje fiz salada de frutas, cobertura da torta da nonna, calda para o papo de anjo, e ainda ajudei na cozinha quente.

O mais legal é que parece muito trabalho, mas não é! Pelo menos não parece. É claro que ficar 8hs de pé, carregando e levantando coisas pesadas cansa, mas o trabalho é mega divertido. No meio da tarde parei pra pensar por que eu ainda não estava cansada, e também percebi que muitas vezes eu fico eu fico horas de pé na minha cozinha mesmo! E ali, mesmo sem meu laptop passando uma série ou tocando uma música, tem a conversa pra distrair! O bom de cozinha é que, diferente de um trabalho sentado na frente do computador, você pode cozinhar e conversar com as pessoas ao redor e o pessoal lá é muito divertido.

Lá tem várias cozinhas separadas, a do pré-preparo, a cozinha fria, a quente e a da pizarria. Mas eu sou meio nômade, como pra fazer doces você precisa de um pouco de tudo, eu vou me movimentando. O que foi bem difícil porque, uma coisa que ninguém te conta, cozinhas são bem molhadas!! Não me pergunte o por que, mas são! E acredite, o esforço de não cair (que, aliás, foi bem sucedido!) segurando panelas pesadas, facas e coisas do tipo matam sua perna! Mas hoje comprei uma Crocs! Nunca achei que ia ficar tão feliz de ter aquele negócio feio no pé!

De ontem pra hoje já me situei mais, sei onde as coisas estão, e onde posso ir pra fazer as coisas! Mesmo assim acidentes acontecem. Ou quase! Enquanto estava fazendo a calda de papo de anjo pedi o cravo pra uma coleguinha de cozinha. Ela me deu, eu já tinha pesado e estava quase colocando na calda, eu olhei mais perto e era PIMENTA PRETA! Seria um papo de anjo épico! E ontem o Chef chegou e pediu pra fazer um creme, me deu a receita e começou a falar “daí você sabe. Você tem que fazer isso, colocar não sei aonde, cuidar com a temperatura daquilo. Fácil.” Nesse momento ele me olhou e viu o olhar de pânico no meu rosto. Mas ele me explicou certinho e o pânico passou…

Trabalhar no lá tem algumas vantagens. Alô, almoçar comida do Gepetto todo dia?! Score! O porém é que a gente almoça depois que os clientes foram embora, e minha barriguinha ainda não aprendeu a ter fome só depois das duas… Outra vantagem é (mulheres, preparem-se!) alguém lava a sua louça!! Ai, que lindo!

Pode não ser o Michael Jackson e o Paul McCartney, mas tá valendo!

Por hoje é só! Minha cama me espera! E amanhã tem feijoada lá, hein! E acreditem, passei o dia inteiro sentindo o cheirinho dela, vai tar demais!

5 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, confissão na cozinha, Curitiba, doce vida