Arquivo da tag: Como fazer

Casa dos Avós

A casa dos nossos avós sempre é um lugar especial. É um lugar de família, comidas gostosas, brincadeiras, almoços e muito mais. Pra mim, pelo menos. A minha acho que ainda mais. Minha família, toda quarta-feira, almoça lá. É sagrado, as pessoas mudam compromissos pra poder comparecer. Até na faculdade meus amigos sabiam que quarta-feira não podia, era dia de almoço na Casa da Omi (Vó em alemão). E alguns especiais até foram convidados a comparecer!

A casa deles tem um quintal maravilhoso, que na minha infância tinha parquinho, campinho de futebol e casinha de boneca. Ou seja, o paraíso dos netinhos! Mas os netos foram crescendo, e o quintal amadurecendo. Deixou de ser o lugar de brincadeiras e começou a ser o lugar dos meus avós. Por exemplo, esse é meu avô em seu habitat natural:

Ele é tão natural ali que muitas vezes quando vou dar tchau não consigo achar. Ele tá atrás das plantas das árvores, e se mistura por ali. Mas tem certas coisas no jardim que não se misturam tão bem. Dá uma olhada:

Plantado no meio do jardim, um carro antigo. Lindo, maravilhoso, mega bem conservado. É nele que eu vou chegar no dia que eu casar! Não sei com quem, mas sei com que carro eu vou. E ele tá ali, do lado lindo do jardim que meu vô cuida com tanto carinho.

Hoje o jardim é o playground de dois meninos: o Francisco e o Bonifácio. Mais conhecidos como Chico e Boni. Eles não são umas gracinhas?

E ali, ao lado de tantas flores, mora o Atelier de pintura da minha vó e suas flores pintadas. E os dois se juntam e convivem perfeitamente.

Lá dentro, várias coleções maravilhosas. Meu vô coleciona de tudo, miniaturas, patos, pratos, cinzeiros, isqueiros, e por aí em diante. Minha mãe já até falou disso no blog dela. Mas a que eu mais invejo e admiro é essa:

Viu a quantidade de câmeras? Novas? Velhas? Extremamente velhas? Ahhh… a beleza! E é claro que a companhia de muitos DVDs e livros também ajuda!

Mas outra coisa que faz essa casa ser tão especial hoje em dia, é que minha vó é uma doceira de primeira! E de tempos em tempos a gente se encontra pra ela me ensinar uma receitinha. E essa foi a da vez:

Docinhos de Aveia

É uma receita alemã. Tem um nome alemão. Não queiram saber qual é. Não tenho essa capacidade.

Essa é a receita. Direto do caderno de receita da minha avó (que honra!), e com a letra da minha tia Dóris. Porque a receita é dela! Bom, se preparem. Essa receita é bem difícil. Horas na cozinha. Muito suor e dor nas costas.

Tá bom, estou brincando. É extremamente fácil. Ótimo pra crianças. Ou preguiçosos.

Junte a aveia, com a farinha e o açúcar peneirados.

Junte os outros ingredientes e misture. A massa toda deve ficar úmida.

E pronto! Massa feita! Complicado, não. Agora é só por bolinhas, bem distantes uma das outras numa forma untada. Bem distantes. Tipo, muito mesmo!

Vocês viram o que eu escrevi, né? Vocês repararam que nós não fizemos isso? Bom, 15 minutos de forno depois e eles saíram assim:

Tudo bem, eu gosto desse look rústico!

É o tipo de biscoito que te surpreende, parece simples, mas é uma festa na sua boca.

E pra mim, vai sempre lembrar a casa dos meus avós.

16 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, passo a passo, receita

Cinema com Açúcar – 127 Horas + Nozes Crocantes

Bom, antes de começar, sim, este é o filme que o cara corta o próprio braço fora. Mas tendo dito isso, esperem! Não tem nada a ver com Jogos Mortais, nem nada parecido.

O filme conta a história real de Aron Ralston, um aventureiro que certa manhã parte para descobrir mais um canyon. Tudo seria como de costume, mas durante uma descida, dentro de um pequeno desfiladeiro, uma rocha enorme cai em cima de seu braço, deixando ele preso. Já seria ruim o suficiente, mas fica pior. Ele está sozinho. Calma, a desgraça não acabou. Ele não contou para ninguém para onde ia.

Após a queda da pedra, Aron faz um inventário de tudo que tem em sua mochila, e o que vai ajudá-lo a sobreviver. Conta com pouca água, menos ainda de comida. Alguns equipamentos de escalada e um canivete sem fio. E é claro, uma pequena filmadora e uma câmera fotográfica. A filmadora acaba se tornando o espectador, pois é através dela que ele explica sua situação, sua evoluçãou, ou falta dela, para tirar a pedra e sair dali.

É o tipo de filme estranho de se assistir, porque você já sabe o que vai acontecer, você sabe que medidas drásticas que ele deverá tomar pra sair daquele lugar.  Corria o risco de o espectador passar o filme inteiro apenas esperando o momento, mas não é o que acontece. Devemos tomar um momento e parabenizar o diretor Danny Boyle, ele conseguiu dar o suficiente da história de Aron e uma quantidade de verdade, que você passa o filme torcendo por ele, sofrendo junto e por último, seguindo junto com ele até o último recurso.

James Franco está provando que merece a indicação ao Oscar. Ele passa do aventureiro independente, que não precisa de ninguém, para alguém em choque ao ver o estado que se encontra. De alguém delirando de dor, falta de água e comida para alguém que aceita sua sentença de morte. E é claro, por fim, alguém que percebe o quanto quer viver e a que medidas está disposto a tomar para conseguir sua vida de volta. É uma história inacreditável, e é verdade.

Algumas curiosidades: A câmera usada nas filmagens é a verdadeira que foi usada pelo Aron Ralston no canyon. As mensagens que ele gravou durante seu tempo preso haviam sido apenas vistas por sua família e amigos próximos e guardadas em um cofre. Danny Boyle e James Franco receberam autorização de assistir para que o filme fosse o mais fiel possível. Aron falou que o resultado foi o mais perto de um documentário sem deixar de ser um drama.

A cena do braço foi feita apenas uma vez, num take de 20 minutos. Não foi repetida porque Boyle disse que conseguiu o que queria naquela primeira vez. E também porque só havia uma prótese do braço.

Para conseguir retirar o braço de Aron de debaixo da pedra, foram necessários 13 homens, um guincho e um macaco hidráulico.

Finalizando, recomendo prestarem atenção na ótima trilha sonora e na mensagem do final.

Bom, depois de um filme complicado vamos a uma receita fácil!

Nozes Crocantes

Ingredientes

200g de nozes picadas

5 colheres de sopa de açúcar

1/2 colher de sopa de manteiga

Uau, só isso!

Coloque tudo numa frigideira e coloque eu fogo bem baixo.

Mexendo de vez em quando, o açúcar e a manteiga vai derreter e começar a caramelizar as nozes. Demora mais ou menos uns 15 minutos, mas fique de olho porque pode queimar de uma hora para outra!

Quando chegar a um tom dourado, e tudo já tiver derretido e caramelizado, tire do fogo. Espere esfriar. Elas vão formar um disco duro. Daí é só quebrar com as mãos.

Você pode fazer isso pessoalmente. Eu não fiz. Essas mãos não me pertencem, são da minha mãe. Sabe como é, eu tinha coisas pra fazer e não queria melecar minhas mãos. Afinal, não é pra isso que mães servem? Não?! Sério?! Vou ter que rever conceitos…

Depois disso, você pode guardar num potinho e usar para incrementar sobremesas. Sorvetes, frutas, bolos… O que quiser! Eles duram um bom tempo num compartimento fechado. Eu usei em cake pops! Ficaram rústicos e uma delícia!

5 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, Cinema com Açúcar, dicas, passo a passo, receita

Cinema com Açúcar – A Rede Social + Crostata de Morango

Como todos devem saber, este filme fala sobre como começou o Facebook. Se você não sabe disso, provavelmente não tem internet e também não está lendo este post, então vou falar com aqueles que sabiam disso.

Em 2003, enquanto Mark Zuckerberg estudava em Harvard, ele resolveu fazer algo que chamesse a atenção das pessoas no campus. Não tendo sido chamado pelas fraternidades que para ele significariam mais oportunidades e portas abertas, ele segue outro caminho. Cria, com a ajuda de alguns colegas, um site que classifica as alunas da faculdade. Este projeto, mesmo sendo retirado do ar em pouco tempo, faz que sejam notados.

Mark é então chamado pelos gêmeos Winklevoss para programar um site de relacionamento para Harvard. Mas enquanto isso, ele próprio segue com seu projeto pessoal, o Facebook. A partir daí, começa a se tornar cada vez maior, mais lucrativo e mais famoso. Mas o sucesso vai trazer muitas complicações para Zeckerberg, tanto pessoais quanto legais. Ele começa a ser processado pelos Gêmeos, que o acusam de ter roubado a ideia, e por Eduardo, seu melhor amigo, e que o ajudou a começar o Facebook e quem Mark deixa praticamente sem nada quando o site decola.

O filme é realmente muito bom, claro que o diretor David Fincher leva grande crédito, pois a direção, a fotografia e a montagem do filme estão ótimas. Mas a interpretação de Jesse Eisenberg do fundador convencido e genial do Facebook é o que chama a atenção. Ainda mais se você vê o Mark Zuckerberg de verdade. Veja esse vídeo para ver os dois juntos. Aliás, este dia foi o primeiro em que os dois se encontrar, pois Fincher proibiu todos os atores principais de encontrar quem estariam interpretando. Andrew Garfield e Justin Timberlake também estão ótimos em seus papéis, do melhor amigo e de Sean Parker, o Napster.

Pra quem já viu, ou planeja ver, algumas curiosidades. Durante uma audiência, é mencionado que Mark Zuckerberg ter inventado o tornou a pessoa mais importante num campus que incluia 19 ganhadores do prêmio Nobel, 15 ganhadores do Pulitzer, dois futuros atletas olímpicos e uma estrela do cinema. A estrela é Natalie Portman, de o Cisne Negro, que estudava em Harvard nesta época. Os atores que interpretam os Gêmeos Winklevoss são realmente idênticos, mas e se eu te disser que eles nem parentes são? Como Fincher não conseguiu encontrar gêmeos que se encaixassem no perfil, ele pegou dois atores diferentes, mas de biotipo parecido e “colou” o rosto de um no outro. E fica realmente imperceptível!

Bom, e com um filme bom desses temos que fazer um doce a altura! A receita é da Ângela, amiga da minha mãe e que também tem coisinhas na Arte Amiga.

Crostata de Morango

Bom, posso ter dito de morango, mas como os cake pops e os waffles você vai poder personalizar e fazer do seu sabor preferido! E o melhor dessa receita: é impressionantemente fácil de fazer e fica com uma cara muito refinada. Ou seja, você pode fingir que deu trabalho!

Ingredientes:

200g de farinha de trigo

100g de manteiga em pedaços

50g de açúcar

1 ovo

Geléia a gosto

Raspas de limão

Pt de sal

Comece colocando em uma tigela a farinha e a manteiga. Com a ajuda de um garfo vá quebrando a manteiga até conseguir uma massa bem granulada. Acrescente o açúcar, o ovo, o sal e as raspas de limão. Com as mãos, misture até virar uma massa firme.

Deixe por pelo menos uma hora na geladeira e depois abra numa superfície com farinha. Separe um pedacinho para depois. Abra até ela ficar numa espessura de mais ou menos meio centímetro. Passe para uma forma untada. Não se preocupe se a massa rasgar na hora de passar para a forma, você pode emendar depois. Você pode ver pela foto 2 que foi o nosso caso.

Agora é a hora da geléia! Nós escolhemos uma de morango, feita em casa pela minha tia Dóris, com a fruta inteira. Yumi! Mas novamente, você pode escolher o que você mais gosta! Ou a que tiver em casa… Ou Nutella!!! Alguém tenta com Nutella, por favor? E daí me conta? Obrigada. Mas façam uma camada fina mesmo, nada de jogar o pote de geléia inteiro em cima da massa. Resista a tentação.

Pegue aquele pedacinho de massa que tinha separado e abra ele. Faça tirinhas de mais ou menos um centímetro e comece a colocar em um sentido, lado a lado, com um espaço entre elas.

E então faça no outro sentido, formando uma rede. Uma rede! Entenderam? Rede Social? Nossa, como eu sou espertinha! Por cima das tirinhas pincele uma gema, assim ficará mais dourado.

Depois é só uns 20 minutinhos no forno a 190º e pronto!

Mas lembrem, finjam que deu muito trabalho! É sempre bom manter a imagem de quem trabalhou demais na cozinha para agradar!

7 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, Cinema com Açúcar, dicas, passo a passo, receita

Cinema com Açúcar – A Origem + Cinnamon Rolls

a origem

Bom, mesmo tendo feito a receita que acompanha esse filme, cinnamon rolls, na terça-feira, estava me enrolando até agora para escrever. Isso porque A Origem é um filme bastante complicado de se falar. Devo começar falando que saí com a mesma sensação do cinema de quando assisti Matrix pela primeira vez. A sensação de ter acabado de ver um filme que te apresenta um mundo novo, mas com a possibilidade de ser parte do seu. Um filme de ação, que te deixa na beira da cadeira, e mesmo assim te faz pensar, e até se esforçar, para acompanhar. E sem falar que é um banquete para os olhos.

cobb

O filme se passa num mundo em que existe a tecnologia para entrar na mente humana através a invasão dos sonhos, o que possibilita o roubo de segredos muito pessoais e escondidos. Um destes ladrões profissionais, Cobb, interpretado por Leonardo DiCaprio, é dado uma tarefa de fazer o contrário. Ao invés de retirar uma informação do subconsciente do alvo, ele deve inserir.

the kick

Mas isso pode ser a coisa mais difícil de se fazer. Para plantar uma ideia de modo crível, eles vão ter que ir mais fundo, para que a origem da informação não seja detectável. Pode ser um mundo complicado, mas o diretor Christopher Nolan nos dá Ariadne, interpretada por Ellen Page, que assim como nós, precisa aprender sobre esse mundo. Por exemplo, para sair do sonho, é necessério um “chute”, aquela sensação de queda que temos durante o sonho e nos acorda. Entendemos que viver entre o sonho e a realidade faz que as pessoas se percam, e por isso cada um tem seu “totem”, sua conexão com a realidade, a certeza que não então na mente de outra pessoa.

Como fica fácil de ver, explicar esse filme é uma tarefa difícil. Ainda mais quando não se quer entregar a história, pois acompanhar as surpresas e a tensão é um dos pontos altos do filme. Mas digo que é um tipo de história que a muito não se vê, e feita magistralmente. Assisti pela primeira vez em IMAX e digo que os efeitos são maravilhosos e perfeitamente encaixados no filme. Leonardo DiCaprio cada vez melhor em escolher projetos e Christopher Nolan como diretor, formam uma ótima dupla. É um filme que precisa ser visto.

Pra você que já viu, e ficou em dúvida quanto ao final, no final do post, depois da receita, tem a resposta. ATENÇÃO! Se você não viu, não leia!

Agora vamos à receita!

Cinnamon Rolls

Essa receita vem da rainha dos rolinhos de canela: Pioneer Woman!

Ingredientes

1 litro de leite integral

1 xícara de óleo vegetal

1 xícara de açúcar

6 colheres de chá de Fermento Biológico Seco

8 xícaras de farinha de trigo (+1 extra, separada)

1 colher de chá de fermento

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de sal

1 xícara de manteiga

2 xícaras de açúcar

Canela (bastante!)

Começamos com o leite, o óleo e a xícara de açúcar. Numa panela em fogo baixo, deixe chegar perto de ferver e desligue. Não ferva. Espera uma hora para esfriar um pouco. Quando estiver morninho, e não quente, jogue a Fermento Biológico.

Espere o fermento ficar todo feliz e quentinho, mais ou menos um minuto, e junte com as 8 xícaras de farinha. Peneiradas. Sim, que chato. Mas depois vai facilitar sua vida. Misture bem, a massa já deve estar descolando da tigela. Depois disso, cubra e deixe num lugar que não seja muito fresco. E vá esperar mais uma hora. Sim, essa receita não é pra quem tem pressa. Mas vá ver um filme, ler um livro, tirar uma soneca. Aproveite!

Depois de uma hora, a massa vai crescer bastante. Eu infelizmente não resisti em mexer com a minha antes de tirar a foto. Ela, como sempre, se recusou a crescer do jeito que eu gostaria. Mas ela cresceu, sim senhor! Agora, acrescente mais uma xícara de farinha, uma colher de chá bem cheia de fermento, uma colher de chá baixa de bicarbonato e uma colher de sal. Agora, se você já se irritou de tanto esperar, pode começar a abrir a massa imediatamente. Se você quer acabar de ver o filme que começou na última hora que teve que esperar, coloque um pouco na geladeira para fica mais fácil!

Eu tirei uma sonequinha e deixei na geladeira. Tá bom, não dormi, mas que foi pra geladeira, foi! Enquanto isso eu preparava a mesa para os meus amigos que iam jantar aqui e servir de cobaia! Antes de abrir a massa, peneire abundantemente farinha. Sério. Abundantemente. Eu não fiz e depois tive que arcar com as consequências. Bom, abra a massa e por cima passe: uma xícara de manteiga derretida e 1 xícara de açúcar. Você pode aumentar as quantidades, já que a esta altura já deve ter reparado que isso não é nada light… E por cima uma camada bem generosa de canela.

Depois disso enrole a massa, o mais justo que conseguir. Corte em pedaços e coloque em uma forma untada.

Como é o tipo do doce que fica melhor no segundo que sai do forno, deixe pronto pra só assar na hora que quiser. E também deixe pronto a cobertura. Misture 500gs de açúcar de confeiteiro, 1/2 xícara de leite, 1/4 de manteiga derretida, e extrato de baunilha. Vai ficar bem consistente. Se não ficar, acrescente mais açúcar.

Depois, enquanto vocês jantam, é só colocar em forno médio durante meia hora. Ele sai douradinho e lindo! Por cima, jogue a cobertura. Ela pode ser consistente, mas como vai estar quente do forno, ela derrete e vai entrando em todos os buraquinhos livres!

E é só levar pra mesa! Essas são minhas cobaias experimentando!

E agora sobre o final de A Origem, lembrando! Se você não viu não LEIA! SPOILER ALERT!

Se você saiu do filme morrendo de vontade de saber se o tal do pião caia ou não caia, não está sozinho. Depois de incessantes perguntas sobre isso, o diretor Christopher Nolan, resolveu se pronunciar. Segundo ele, não importa se cai ou não cai, o que é importante que Cobb não quer saber. Seja o sonho ou seja a realidade, ele escolhe que ele quer simplesmente viver e que aquela será sua realidade.

9 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, Cinema com Açúcar, dicas, passo a passo, receita

Cinema com Açúcar – O Discurso do Rei + Waffles

o discurso do rei

Passamos para o quarto filme do Oscar, o Discurso do Rei. E para acompanhar ele, uma comidinha com cara de Ingraterra: Waffles!

Fui assistir ontem e posso dizer que é um dos meus preferidos até agora. Quem sabe não necessariamente o preferido pra ganhar o Oscar, mas pessoalmente. Eu amo esses filmes de superação pessoal, onde a pessoa sai do nada e consegue alcançar o seu sonho com muita determinação e coragem.

Bem, nesse caso a pessoa em questão não sai exatamente do nada. Afinal, o personagem principal é um príncipe inglês, que futuramente se torna rei da Inglaterra. Isso, juro, não é spoiler, é história!

fear

Mas essa ascensão ao trono é tornada muito mais difícil porque Bertie, o futuro Rei George VI, tem uma gagueira muito forte. E isso, na época em que a família Real se comunicava com o povo através do rádio, se torna um problema. Elizabeth, mulher de Bertie, e a Rainha Mãe que até pouco estava viva, contrata Lionel Logue, um profissional com métodos, digamos, pouco ortodoxos.

Lionel

A história já é impressionante por si só, mas são as interpretações que fazem esse filme se tornar essa delícia de se ver. Começamos com a Helena Bohan Carter, que se distanciou um pouco do marido Tim Burton para fazer um papel “não-louca”, e ela deveria fazer isso mais vezes! Ela faz uma rainha super carismática e com um humor típico inglês que dá leveza à situação em que vive. Geoffrey Rush faz o fonoaudiólogo que ajuda o Rei, não só com a fala, mas com a confiança. Eu adoro esse ator e nesse filme ele está realmente perfeito.

Agora, sobre o Colin Firth é até difícil comentar. Ele está simplesmente impressionante. Ele interpreta uma gagueira que, segundo minha mãe fonoaudióloga, é a mais difícil de todas de se fazer. Ele praticamente sufoca em suas palavras, te passando toda a sensação de nervosismo e impotência que o personagem sente. Não quero falar muito antes de ver todos, mas se ele ganhar o Oscar é mais do que merecido!

terapia

A Direção de Arte também está ótima, com menção honrosa para a parede que aparece na foto acima e para a caracterização da época. É também muito interessante reparar em alguns planos diferentes escolhidos pelo diretor Tom Hooper, com o respiro para o lado “errado”, que causa um pouco de estranheza, mas combina perfeitamente.

Para fãs de Harry Potter: Tem 3 personagens do filme que também estão na saga. Veja se você consegue reconhecer todos!

Agora, vamos para a receita!

Waffles

Bom, esta infelizmente é uma daquela receitas, como o Twix Caseiro, que você precisa de equipamento específico. E graças ao meu pai, nós agora temos! Esse final de semana ele chegou em casa com essa belezura:

the machine!

Ingredientes

2 xícaras de farinha de trigo

2 colheres de sopa de açúcar

1 colher de sopa de fermento

pt de sal

1 3/4 xícaras de leite desnatado

6 colher de manteiga derretida

2 ovos

Coloque tudo numa tigela e misture com a ajuda de um feut. Ou um whisk. Existe uma palavra em português para isso?

Mas continuando. Espere a forminha esquentar e coloque aproximadamente meia xícara de massa nessa. Ajude a espalhar com uma espátula ou um pão duro que seja resistente ao calor.

É só fechar a tampa, esperar menos de um minuto e tá-dá! Waffles prontas!

Depois disso é só colocar o que você mais gosta. Nós fizemos com Manteiga e Açúcar Cristal, Maple Syrup e com Geléia de Morango! Os três ficaram maravilhosos, mas o Maple Syrup nasceu para casar com waffles, e ninguém pode separar os dois! Quer dizer, as panquecas podem…. E devem!

E assim como o Cake Pop, divirta-se! Passe o que quiser, manteiga de amendoim, doce de leite, calda de chocolate, leite condensado… sim, só coisas light! Mas se você insistir, é claro que você pode fazer com frutas frescas, como morangos picados. Mas vamos combinar, alguém vai ter que fazer e passar Nutella! Oh god… Me mandem uma foto! Grata!

5 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, Cinema com Açúcar, dicas, passo a passo, receita

Cinema com Açúcar – Toy Story + Cake Pops

the toys are back in town!

Ah, como essa indicação me deixa feliz! Quando o primeiro da série saiu eu tinha 7 anos e mesmo assim me lembro da sensação de assistir no cinema. E esta é uma das trilogias raras, na qual todos os filmes são ótimos e se superam.

Neste filme, Andy, o dono dos brinquedos, cresceu e está indo para a faculdade. Mas antes disso tem que dar um destino para seus antigos brinquedos. E eles, os brinquedos, morrendo de saudade das brincadeiras dos meninos, morrem de medo do que pode acontecer. Conseguindo escapar do temido sótão, eles acabam indo parar na Creche Sunnyside.

recém chegados

É lugar que à primeira vista parece perfeito para os brinquedos: as crianças sempre querem brincar com eles e nunca vão perder o interesse. Mas nem tudo é perfeito assim, quando eles descobrem os vilões da creche.

o-oh!

Toy Story é o tipo de filme que começa meio morno, parece que vai ser só mais um na série. Mas ao decorrer do filme é impressionante porque você se apaixona de novo pelos personagens e se sente como o Andy e como se eles fossem seus próprios brinquedos.

toys

Como toda animação feita hoje em dia, parece agradar até mais os adultos do que as crianças. Mas está faz isso de um jeito especial. Ela te lembra o amor que você tinha pelos seus brinquedos, e como se separar deles é dolorido. E acredite, você vai chegar em casa morrendo de vontade de tirar aqueles últimos remanescentes do armário e brincar com eles!

Como é um filme que agrada gregos e troianos, ou melhor, adultos e crianças, a receita vai ser uma que também agrada os dois públicos: Cake Pops!

Cake Pop

Cake Pops são os novos queridinhos das cozinha internáuticas mundiais, e acredite, são a super simples de fazer! Ainda mais porque nós vamos dar uma de americanos e usar “atalhos”. E por “atalhos” eu quero dizer coisas prontas.

Estão chocados? Porque por coisas prontas eu estou querendo dizer bolo de caixinha e brigadeiro de latinha!!! Sim, acredite. Mas sabe como é, uma receita americana, faremos como os americanos!

Começamos pelo bolo. Sim, você pode fazer seu bolo preferido de chocolate, ou de baunilha. Eu, como boa pessoa obediente que sou, fiz de caixinha.

Depois de assado, o bolo precisa esfriar completamente para continuar. Como você pode ter reparado, devido às coisas prontas, eu estava num dia meio impaciente. Então levei o bolo comigo para o meu quarto e liguei o ar condicionado no máximo. 15 minutos depois, estava frio! Então é a hora de desmanchar o bolo. E a partir de agora é mão na massa! Literalmente!

Quebre o bolo inteiro, deixando uma farofa. Depois é só jogar o brigadeiro. Para um bolo, uma lata é suficiente. Amasse tudo com as mãos até que o bolo inteiro esteja úmido. E mande um pouco pra geladeira. Assim vai ser mais fácil de fazer as bolinhas.

Você vai acabar com um exército de bolinhas. Está receita deve dar um pouco menos de 30. Coloque numa forma e derreta um pouco de chocolate. Pegue seus palitinhos, mergulhe no chocolate e enfie nas bolinhas. Parece inútil, mas esse chocolate vai agir como uma cola entre o bolo e o palito. Você vai me agradecer na hora de comer, acredite. Coloque eles na geladeira por várias horas ou, se você estiver num dia impaciente como eu, coloque no freezer por 40 minutos.

Derreta uns 500gs de chocolate meio amargo, ou o que você preferir, e coloque numa tigela não muito grande, para ficar mais fácil de mergulhar os bolinhos. Depois de totalmente cobertos por chocolate, dê batidinhas de leve como palito na tigela para que saia o excesso. Passe ele nos confeitos que quiser, eu usei mini chocoballs. E o mais legal, se você tiver deixado o bolo no freezer, você vai ver que o chocolate seca em segundos!

E pronto! É uma delícia, e totalmente adaptável! Você não gosta de chocolate meio amargo? Use branco! Não gosta de chocoball? Use Confetti ou açúcares coloridos. Você não gosta de brigadeiro? Vá rapidamente num psicólogo, alguma coisa está errada! Mas daí você pode usar doce de leite, o que quiser! Divirta-se!

Cake Pops!

13 Comentários

Arquivado em aventuras culinárias, Cinema com Açúcar, dicas, passo a passo, receita